Priscila Armani – Jornalista

Cinema, cultura, mídia e variedades nas palavras livres de uma jornalista.

Posts Tagged ‘Oscar

Academia sorteia ingressos para o tapete vermelho dos prêmios Oscar

leave a comment »

Caros poucos que me lêem,

este é meu post de despedida por um tempinho. Agora só volto à ativa a partir de 28 de setembro. Tirarei um tempinho de férias. Quem me conhece bem sabe porque. 🙂

Grande beijo em todos!

Fonte: EFE e Yahoo Notícias

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos informou na última quinta-feira que vai sortear 700 lugares nas arquibancadas que cercam o tapete vermelho pelo qual passarão os convidados à cerimônia da entrega dos prêmios Oscar de 2010, no teatro Kodak, em Los Angeles.

A partir das 9h locais da próxima segunda-feira (14h de Brasília), o portal da Academia abre as inscrições para o sorteio pelo endereço www.oscars.org/bleachers. O prazo para disputar as entradas termina às 21h locais do domingo seguinte (1h de segunda-feira em Brasília).

Os vencedores serão notificados no início de outubro e, em dezembro, receberão o convite oficial para ficar ao lado tapete vermelho da 82ª cerimônia de entrega dos prêmios Oscar, marcada para o dia 7 de março de 2010. Porém, os 700 sortudos acompanharão o evento pela televisão em um local próximo ao Teatro Kodak.

O convite será válido para até quatro pessoas independentemente de seu país de residência, mas a Academia só permitirá uma solicitação por grupo e não custeará as despesas de hospedagem ou transporte até Los Angeles.

O sorteio de entradas para o tapete vermelho começou a ser feito para a entrega dos prêmios Oscar em 2004. Desde então, a Academia recebe uma média anual de 20 mil solicitações. De lá até aqui, o número de assentos disponíveis dobrou.

Anúncios

Written by Priscila Armani

sexta-feira, setembro 11, 2009 at 11:41 am

Oscar de Melhor Canção terá novas regras.

leave a comment »

Fonte: Rolling Stones. No link você pode ler a matéria inteira.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas divulgou na sexta, 26, novas mudanças para o Oscar. A mais polêmica delas poderá implicar na exclusão do prêmio de melhor canção se, em determinado ano, as faixas concorrentes não forem consideradas boas o bastante. A decisão chega dias após o anúncio de que, a partir de 2010, o Oscar terá 10 indicados à estatueta de melhor filme, em vez dos cinco habituais, como vinha sendo feito desde 1945.

Segundo a edição online da revista Variety, a ideia é preservar a categoria, que este ano consagrou “Jai Ho”, de A. R. Rahman (Quem Quer Ser um Milionário?).

A comissão responsável pela categoria (são cerca de 230 membros votantes) conduz, anualmente, complexa pré-seleção, na qual membros da Academia assistem a clipes com as músicas elegíveis dentro do contexto de cada filme. Os votantes, então, pontuam cada concorrente, numa escala de 6 a 10. A nova regra prevê que, caso nenhuma das faixas consiga nota mínima de 8.25, o prêmio não será distribuído no ano. Se pelo menos uma música alcançar a pontuação, ela será nomeada junto à segunda canção mais votada, ainda que esta tenha nota inferior a 8.25.

Dentro das regras prévias, a categoria precisava ter de três a cinco músicas. Ao contrário do prêmio de melhor filme, a alteração não significa aumento do número máximo de concorrentes, embora possa zerar o número de faixas no páreo.

“Nós estamos tentando aumentar a qualidade”, explicou o compositor Bruce Broughton, presidente da ala musical da Academia, segundo o site da rede britânica BBC. Para Broughton, a Academia viha sendo cobrada, pois grande parte da recente safra musical deixa a desejar quando “comparada às músicas do passado”.

A deliberação, já em vigor, de apenas considerar canções contextualizadas dentro do filme estaria ligada à tentativa de zelar pelo valor da contribuição musical à produção, em vez de privilegiar o potencial comercial da trilha sonora. De acordo com a Variety, alguns membros da Academia não estariam satisfeitos com o aumento de músicos e compositores de pop-rock nos créditos de filmes. A manobra, no entanto, deixou de fora concorrentes como “The Wrestler” (vencedora do Globo de Ouro deste ano e tema de O Lutador), de Bruce Springsteen.

Written by Priscila Armani

segunda-feira, junho 29, 2009 at 4:43 pm

Publicado em Cinerama

Tagged with ,

Drama de Sandro Nascimento pode concorrer ao Oscar

leave a comment »

Já temos nosso possível representante no Oscar 2009. Depois de muito suspense, o secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura, Silvio Da-Rin, revelou na tarde de ontem que o filme escolhido para ser enviado aos organizadores do Oscar será “Última parada 174“, longa-metragem dirigido por Bruno Barreto e que ainda não estreou no Brasil.

O longa vai concorrer com produções de mais de 90 países a uma vaga dentre os cinco indicados na categoria “melhor filme em língua estrangeira”. Ou seja, quando dizem por aí que só concorrer nesta categoria já é uma honra, é porque é verdade mesmo. A concorrência é grande e acirrada. O Oscar 2009 acontece em fevereiro.

“Última parada 174” é uma ficção que se baseia na história real de Sandro Nascimento, sobrevivente da chacina da Candelária, no Rio de Janeiro e que iria anos mais tarde protagonizar o sequestro de um ônibus, mobilizando o país durante horas. A história dele foi contada no documentário “Ônibus 174“, de José Padilha.

Veja quais produções concorreram com o longa pela indicação ao Oscar:

– “A casa de Alice”, de Chico Teixera
– “A Via Láctea”, de Lina Chamie
– “Chega de saudade”, de Laís Bodanski
– “Era uma vez“, de Breno Silveira
– “Estômago“, de Marcos Jorge
– “Meu nome não é Johnny”, de Mauro Lima
– “Mutum”, de Sandra Kogut
– “Nossa vida não cabe num Opala“, de Reinaldo Pinheiro
– “Olho de boi“, de Hermano Penna
– “Onde andará Dulce Veiga?”, de Guilherme de Almeida Prado
– “O passado”, de Hector Babenco
– “Os desafinados“, de Walter Lima Júnior
– “O signo da cidade”, de Carlos Alberto Riccelli

Written by Priscila Armani

quarta-feira, setembro 17, 2008 at 8:22 am

Apenas uma vez

leave a comment »

Não faz muito tempo que esse filme independente estreou no Brasil, mas mesmo antes de estrear eu já queria assistí-lo. No original, este filme se chama Once e se você considera este nome familiar, não é a toa.

Esse filme era o azarão do Oscar deste ano, concorrendo na categoria Melhor Canção Original contra várias músicas da Disney, historicamente mais forte nessa categoria (Se tem uma empresa que sabe fazer trilhas sonoras para filme, essa empresa é a Disney). E, eis que de repente, surge um filme irlandês desconhecido e encanta os jurados, levando o prêmio e surpreendendo a todos.

Eu não conhecia a música e quando vi a apresentação no Oscar fiquei pasma. É muito bonita. Tem tudo para virar um clássico de bailes de formatura. Romântica, mas não melosa. Se chama “Falling Slowly”. E você baixa fácil em qualquer programa compartilhador de mp3.

Enfim, vamos ao filme! Glen Hansard e Markéta Irglová, que são músicos na vida real, protagonizam a história de um casal diferente que se esbarra nas ruas de Dublin. Ele é um talentoso músico, que ganha a vida com seu violão e ajuda o pai em uma loja de aspiradores de pó. Ela é tcheca e vende rosas para sustentar sua família. O hobby da moça? O piano. E aí a paixão pela música acaba estimulando outros sentimentos.

Tinha tudo para ser brega e meloso, mas é bem requintado. No site oficial do filme, você pode ver o trailler, ouvir a música e acompanhar a turnê do casal, que tem viajado promovendo a trilha sonora do filme. Eu ainda não assisti, mas devo fazer isso em breve e aí conto para vocês se correspondeu às minhas expectativas.

Dica do dia: Vá ao Google e digite filme na caixa de busca. Irá aparecer uma janela especial para você procurar em sua cidade os horários de exibição de todos os filmes que estão em cartaz em todos os cinemas. Legal, né?

Written by Priscila Armani

quinta-feira, abril 24, 2008 at 1:09 pm

Publicado em Cinerama

Tagged with , , ,