Priscila Armani – Jornalista

Cinema, cultura, mídia e variedades nas palavras livres de uma jornalista.

Psicose

leave a comment »

capa

Hoje vou dar uma dica de DVD que todo mundo vai considerar bastante batida. Isso porque metade da população do mundo, no mínimo, já assistiu esse filme. E eu considero quase que obrigatório que qualquer cinéfilo o assista. Trata-se da obra-prima de Hitchcock, “Psicose”.

Esse filme é um marco na história do cinema e isso por inúmeros motivos. 1. Inaugura os thrillers de terror modernos, com cenas de corte rápido e seco. 2. Sugere ao espectador mais do que ele vê, deixa ele imaginar o que acontece. 3. Surpreende a todos no início, meio e final do filme. 4. Possui uma das trilhas sonoras mais assustadoras e marcantes da história do cinema. E por aí vai… 

Filmado em 1960, traz uma das melhores e mais assustadoras atuações de filmes de terror, com Anthony Perkins fazendo um Norman Bates de dar calafrios. Quem viu sabe do que estou falando… Não existe psicopata mais assustador que esse cara. O cidadão é gentil, ri, é simpático, putz, de arrepiar os cabelos.

anthony1

Bem, vamos ao enredo, afinal não é todo mundo que sabe do que se trata. Janet Leigh vive Marion Crane, uma jovem apaixonada por Sam Loomis, interpretado por John Gavin. Ele é cheio de dívidas e, por isso, não pode se casar com ela. A garota, que deve ter em torno de 30 anos, está desesperada. Quando volta ao trabalho, recebe US$ 40 mil para depositar no banco, dos negócios do patrão. Ela fica tentada e foge com o dinheiro, em busca de pagar as dívidas do namorado e se casar.

Mas o que se percebe durante o filme é que ela não é ladra, apenas cometeu um erro. E começa a pagar por ele, sendo perseguida por um policial, que a acha suspeita. Ela então se perde na estrada, durante a chuva, e vai parar num motel barato. Ao chegar lá, decide ficar pela noite e assina um nome falso no registro de hóspedes. Quem a atende com muita gentileza é Norman Bates, um jovem esquio, simpático, falante e que lhe oferece o quarto número um, do lado da recepção, para que ela possa ser prontamente atendida no que precisar. 

Os dois conversam, uma conversa muito estranha, e ela decide voltar e devolver o dinheiro, se arrepende de tê-lo roubado. E aí, bem… assistam, é melhor.

Uma curiosidade é que no DVD de relançamento do filme, da coleção de Hitchcock, tem um “making of” de uma hora e meia com entrevistas com Janet Leigh, contando curiosidades sobre as filmagens, com o roteirista, a filha de Hitchcock, dentre outros que estiveram envolvidos na execução do projeto. Esse “making of” vale a pena ver, tanto quanto o filme.

Nele se contam detalhes como: – Hitch só trabalhava até as 18 horas. Ele acreditava que o dia de trabalho ia só até as 18. A equipe ficava a madrugada toda trabalhando em detalhes da produção. Mas sempre que possível as filmagens se encerravam às 18.

hitch

– Esse é o primeiro filme da história do cinema americano onde se mostra um vaso sanitário. Quando os banheiros eram mostrados antes, o vaso não aparecia! E se a gente parar para pensar, até hoje não vemos muitos vasos no cinema. Ninguém faz xixi em filmes!
– Em todos os filmes do Hitch é clara a relação entre morte e comida. Impressionante, mas verdade.

Deixo vocês agora com o trailler do filme. O próprio Hitchcock apresenta ao público as locações onde o filme se passou. Detalhe: é engraçado demais! Só o Hitch mesmo para fazer terror com humor.

Anúncios

Written by Priscila Armani

sábado, novembro 22, 2008 às 11:03 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: