Priscila Armani – Jornalista

Cinema, cultura, mídia e variedades nas palavras livres de uma jornalista.

Maratona sexual

leave a comment »

O autor de "Just Do It", Douglas Brown.

O autor de "Just Do It", Douglas Brown.

Na noite deste Domingo, o programa da Rede Globo “Fantástico” dedicou um pedacinho de sua vasta lista de assuntos ao livro escrito pela norte-americana Charla Muller, “365 nights – A memoir of intimacy“.

Neste livro, Charla conta sobre o presente especial que decidiu dar ao marido no seu aniversário de 40 anos. E que presente!

Com uma década de casamento e dois filhos, sexo havia deixado de ser uma prioridade para ela. A falta de sexo os havia, apesar do dia a dia em comum, os afastado. E ela decidiu virar o jogo oferecendo a ele um ano de relações sexuais, todos os dias, sete dias por semana.

O livro não revela, ao que parece, detalhes picantes do sexo. É mais um diário de como eles tiveram de ser disciplinados para cumprir a meta do presente, mostrando os altos e baixos do casamento e como o maior contato fisíco acabou propiciando a eles maior intimidade espiritual e companheirismo.

Coincidência ou não, existe outro livro com assunto relativamente parecido e que também teve seu lançamento recentemente. “Just Do It“, de Douglas Brown, não recebeu tanta atenção assim da mídia porque é bem mais picante que o livro de Charla. Ao que parece, Brown não teve pudores de dividir com seus leitores o “do it”. No caso dele, uma empreitada de 101 dias de sexo sem parar com a esposa com a qual já é casado há 14 anos e tem duas filhas pequenas.  

A idéia foi de Annie, depois que o marido contou sobre um clube em que homens ficavam 100 dias em “jejum”. Ela propôs a ele o reverso, ficarem 101 dias “na ativa”.

Esses 101 dias incluíram aventuras em vários lugares: hotéis e motéis de tudo quanto é tipo, cadeiras, porões e, às vezes, no quarto mesmo. Lingerie, brinquedinhos e até mesmo viagra foram usados e mencionados por Brown. É interessante a perspectiva masculina da coisa. E por ele também o sexo foi mostrado como algo além do físico, que trouxe uma proximidade grande entre os dois.

Segundo ele: “O sexo é importante em um relacionamento e, se um casal deixa o sexo em segundo plano, acaba virando somente um par de pessoas que divide o mesmo quarto. E isso qualquer um pode ter, mas um grande amor só acontece uma vez. Antes do experimento, chegávamos em casa, cozinhávamos, comíamos, lavávamos a louça, púnhamos as crianças para dormir e, então, íamos para a cama, onde passávamos umas duas horas lendo ou vendo TV. Durante estes 100 dias, o tempo na cama mudou. Continuávamos muito cansados, mas levamos o sexo a sério! A gente não ia para a cama com mau hálito! Ambos tomávamos banho, a Annie vestia uma bonita lingerie, eu vestia um pijama bacana, acendíamos velas, conversávamos. Desse modo entrávamos no clima, e não nos sentíamos mais cansados. Então, era fácil fazer sexo”.

Se isso virar moda entre os brasileiros, teremos mais pessoas felizes andando nas ruas, eu aposto.

Anúncios

Written by Priscila Armani

domingo, agosto 10, 2008 às 10:03 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: